Terra Molhada


Você sabe como se chama o cheiro da chuva? Petricor! Eu não sabia, pouquíssima gente sabe. No entanto, é um dos cheiros mais queridos da humanidade. É gostoso, associado a sensações de prazer e bem estar, em todas as culturas, todos os povos e rincões da Terra.

A palavra petrichor  foi cunhada em inglês, em 1964, pelos pesquisadores da agência nacional de ciências da Australia. Vem do grego petra (pedra) e ichor, que na mitologia era o sangue etéreo dos deuses.

Alguns pesquisadores acreditam que o afeto por esse cheiro é uma herança atávica da humanidade, que desde sempre dependeu da chegada das chuvas para sobreviver.

Essa dependência fez o compositor Dudis D’Gis comparar o grande amor ao atavismo dos aromas encantados em nosso inconsciente ao ponto de levar-nos como o escaravelho à flor.

Não sou como a abelha saqueadora que vai sugar o mel de uma flor e depois de outra flor. Sou como o negro escaravelho que se enclausura no seio de uma única rosa e vive nela até que ela feche as pétalas sobre ele e, abafado nesse aperto supremo, morre entre os braços da flor que elegeu.

Roger Marin Du Gard

 

TERRA MOLHADA

Cheiro de terra molhada
Aroma doce de flor
Onde anda a minha amada
Saudade do meu amor

Quero o vento na estrada
Embalando a minha dor
Teu cheiro morno
Saudade do meu amor

Chuva miúda no romper da aurora
Quanta preguiça no teu despertar
Um cheiro forte de café da hora
No brilho meigo desse teu olhar

Ai como espero
De novo o pecado
Nesse teu abraço
Do mais puro amor

Tudo que quero
Num dia rosado
Sucumbir no afago
Como o escaravelho e a flor

Cheiro de terra molhada
Pés descalços pelo chão
Sorriso da namorada
Saudade no coração

Quero o vento na estrada
Segurando a minha mão
Teu cheiro morno
Saudade no coração

Um galo canta no romper do dia
E a primavera começa a bailar
Nada melhor do que a poesia
No brilho meigo desse teu olhar

Ai como espero
De novo o pecado
Nesse teu abraço
Do mais puro amor

Tudo que quero
Num dia rosado
Sucumbir no afago
Como o escaravelho e a flor (3x)

Você também pode gostar

Ano Novo, Novos Talentos

Nathália Lima – Poema Velho

Um Amor Infinito – No Casarão

Os comentários estão fechados.

Release

Dudis D'Gis

Dudis D'Gis

Compositor carioca radicado em Brasília com forte influência do samba canção, da MPB tradicional e do autêntico Forró.

Redes Sociais

Saiba tudo em primeira mão seguindo nossas redes.

Destaques

Nathália Lima – Poema Velho

9 de novembro de 2017

Doce Morena

9 de janeiro de 2017

Um Amor Infinito – No Casarão

24 de setembro de 2017

Banner

Banner

Flickr

Flickr Feed
Flickr Feed

Fanpage